Mozambique

  • verdade.co.mz
  • 21 hours ago

O Instituto Nacional de Meteorologia prevê o seguinte estado do tempo para esta sexta-feira (18) em Moçambique nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula céu pouco nublado localmente muito nublado. Possibilidade de aguaceiros acompanhados por vezes de trovoadas ou chuvas fracas a moderadas localmente fortes na faixa costeira. Vento de sueste a sudoeste fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas. Para as províncias de Tete, Zambézia, Manica e Sofala céu pouco nublado localmente muito nublado. Possibilidade de aguaceiros com trovoadas ou chuvas fracas, podendo ocorrer em regime moderado na província da Zambézia. Vento de sueste a leste fraco a moderado. Nas províncias de Inhambane, Gaza e Maputo céu pouco nublado localmente muito nublado. Vento de sueste a nordeste fraco a moderado. Eis as temperaturas previstas: Cidade Tempo Máx ºC Mín ºC Maputo 30 19 Xai-Xai 30 19 Inhambane 29 21 Vilankulo 28 21 Beira 28 22 Chimoio 29 15 Tete 35 19 Quelimane 30 21 Nampula 32 21 Pemba 28 23 Lichinga 26 13

  • verdade.co.mz
  • 2 days ago

A Polícia da República de Moçambique (PRM) em Nampula admitiu que um civil “tentou arrancar uma arma de fogo a um agente da polícia e sem sucesso acabou sendo alvejado” mortalmente elevando para dois os óbitos no pleito desta terça-feira (15). Apesar destas mortes, dos muitos tiros que disparou para o ar, do gás lacrimogéneo que usou e das dezenas de ilícitos eleitorais que resultaram na detenção de 98 cidadãos a PRM avaliou que a votação e início da contagem de votos das Eleições Gerais decorreu “num ambiente de paz e de tranquilidade”. “Tivemos um registo (de morte) em Angoche onde um indivíduo, no processo ainda de votação, tentou arrancar uma arma de fogo a um agente da polícia e sem sucesso acabou sendo alvejado, uma vez que os outros membros da polícia tiveram que intervir para garantir que este instrumento não se mantivesse em mãos alheias”, revelou o porta-voz no Comando Provincial da PRM em Nampula, Zacarias Nacute. Entretanto a Sala da Paz, plataforma de observação eleitoral que agrega várias Organizações da Sociedade Civil moçambicana, reportou ter “constatado o baleamento mortal de uma pessoa na Escola Secundária São Vicente Paulo, em Nacala Porto”. O porta-voz da polícia na Província da Zambézia, Sidner Lonzo, disse a jornalistas terem registado “alguns tumultos, cinco ilícitos eleitorais, concretamente nos postos de Nangumele em Mocuba, Sangariveira na área jurisdicional da 3a esquadra, no Luabo dois ilícitos e Regone no distrito de Quelimane. Dois casos em Mocuba, uma cidadã de 30 anos de idade foi encontrada na posse de cinco boletins (de voto) preenchidos e tentaram introduzir numa das urnas na EPC de Nangumele. Em Sangariveira foi encontrado um indivíduo também na posse de cinco boletins de voto já preenchidos, prestes para introduzi-los nas urnas”. “Foi possível deter 26 indivíduos, 17 na Maganja da Costa estavam na assembleia de voto e tentaram perturbar a ordem colocando barricadas. Disparos aconteceram apenas no distrito de Nicoadala porque a população foi extremamente resistente e violenta, tendo em conta que usou paus e catanas, a nossa polícia efectuou alguns disparos para o ar e felizmente com isso conseguiu dispersar a população”, pormenorizou Lonzo. 98 detidos durante a votação e início do apuramento das Eleições Gerais No distrito do Lago, na província do Niassa, a polícia indicou ter detido três pessoas suspeitas de agitação durante a contagem de votos, o porta-voz da corporação, Alves Mate” explicou que “populares, após a votação, aglomeraram-se nas assembleias de voto, exigindo a contagem na sua presença”. Na Província de Tete, no Distrito de Macanga, dois simpatizantes do partido Renamo foram detidos na posse de uma arma de fogo após causarem distúrbios em algumas assembleias de voto no povoado de Catondo. “Interceptamos os dois jovens de mota, mandamos parar, quiseram empreender uma fuga mas conseguimos neutralizar e descobrimos que tinham uma pistola municiada com uma bala na camara”, esclareceu o Comandante da PRM em Macanga, António Sinalo. Ainda durante a terça-feira (15), na Província de Gaza, a PRM registou um ilícito na Cidade de Xai-Xai, “quando quatro indivíduos tentaram perturbar o decurso normal do processo no bairro 11, no Distrito do Chókwè tivemos uma caso que envolve um número mais ou menos grande, esses indivíduos tentaram falsificar documentos para poderem-se identificar como delegados de mesa e tudo mais”, declarou o Comandante provincial, Feliciano Chongo. Já o Comando da Polícia da República de Moçambique avaliou em Maputo, nesta quarta-feira (16), que “no geral o processo de votação em todo o território nacional decorreu num ambiente de paz e de tranquilidade”, no entanto sem mencionar nenhum óbito. “Tivemos alguns ilícitos na EPC da localidade de Ilha de Inharingue onde cerca de 300 membros e simpatizantes do partido Renamo vandalizaram aquela escola e tentaram sem sucesso, graças à pronta intervenção da polícia, apoderar-se de nove urnas de votos e de seguida incendiaram cinco casas de construção precária. Desses indivíduos nove foram detidos, tidos como cabecilhas daquela situação”, disse ainda o porta-voz do Comando da PRM, Orlando Modumane. Modumane precisou que na Cidade de Maputo foram registados sete ilícitos eleitorais, nas províncias de Nampula e Maputo registaram-se cinco e quatro ilícitos, respectivamente, tendo no entanto “as províncias de Gaza e Nampula registado o maior número de detidos, com 24 e 23, respectivamente”.

  • verdade.co.mz
  • 2 days ago

As raparigas nas províncias de Inhambane, Gaza, Maputo e Cidade de Maputo obtiveram, durante o ano de 2018, melhor aproveitamento escolar primário e secundário do que os rapazes. Na “Terra da boa gente” 50,1 por cento dos estudantes que passaram de classe no ensino primário no ano passado eram do sexo feminino e no ensino secundário o aproveitamento melhorou ainda mais com 56,2 por cento dos aprovados a serem raparigas. Muito melhor estiveram as meninas de Gaza que representaram 51 por cento dos que passaram nas classes primárias e 58,7 por cento foram aprovadas no ensino secundário. Na Cidade e Província de Maputo as raparigas do primário representaram pouco mais do 50 por cento dos alunos aprovados enquanto no ensino secundária a percentagem de meninas que passaram subiu para pouco mais de 56 por cento. Pior aproveitamento no ensino primário em Moçambique tiveram as meninas da Província de Sofala e nas classes do secundário as alunas da Província da Zambézia é que tiveram piores aproveitamento escolar em 2018.

  • verdade.co.mz
  • 2 days ago

O Chefe da Missão de Observação da União Europeia (UE), o eurodeputado Nacho Sánchez Amor, afirmou que a votação das sextas Eleições Presidenciais, Legislativas e terceiras Províncias decorreu “de uma forma tranquila, pacífica e ordeira”. “O dia das votações decorreu na generalidade de uma forma tranquila, pacífica e ordeira. É verdade que havia muitas filas, as pessoas perdiam um bocadinho a paciência, mas isso é uma demonstração do desejo do povo moçambicano de participar nas eleições”, afirmou Nacho Sánchez Amor após reunir nesta quarta-feira (16) com a Presidente da Assembleia da República de Moçambique. O eurodeputado, que representa o único Parceiro de Cooperação que financiou as Eleições Gerais no nosso país, disse ainda a jornalistas, sobre a contagem dos votos que “estamos numa fase muito inicial de apuramento dos dados, e só quando houver mais informação é que poderemos ter uma opinião sobre esta segunda fase e a que vai a seguir que tem a ver com os possíveis recursos judiciais”. Pelo menos um cidadão foi baleado mortalmente pela Polícia da República de Moçambique, no Distrito de Angoche, e quase uma centena de tentativas de fraude, favoráveis ao partido Frelimo, foram reportadas pelas Organizações da Sociedade Civil moçambicana que estão a observar o pleito da última terça-feira (15).

  • verdade.co.mz
  • 2 days ago

Pelo menos oito pessoas morreram em dois acidentes de viação registados desde o fim-de-semana na Província de Nampula, o sinistro mais mortal aconteceu nesta terça-feira (15) quanto uma viatura de transporte de passageiros despistou-se na vila de Namialo. O “chapa” de 15 lugares fazia o trajecto entre as cidades de Nampula e de Nacala Porto transportando 25 passageiros e muita carga quando a alta velocidade causando a morte de sete cidadãos e deixando outros 12 feridos. Ainda na Província de Nampula um cidadão perdeu a vida no Hospital Central devidos a um traumatismo crânio encefálico grave contraído durante um acidente de viação.

  • verdade.co.mz
  • 2 days ago

O Instituto Nacional de Meteorologia prevê o seguinte estado do tempo nesta quinta-feira (17) em Moçambique: nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula céu pouco nublado localmente muito nublado. Possibilidade de chuvas fracas ou chuviscos no extremo norte das províncias de Niassa e Cabo Delgado. Vento de sueste a sudoeste fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas ao longo da costa. Para as províncias de Tete, Zambézia, Manica e Sofala céu pouco nublado localmente muito nublado. Aguaceiros ou chuvas fracas, podendo ocorrer em regime moderado na província da Zambézia. Vento de sudoeste a sueste fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas na faixa costeira. Nas províncias de Inhambane, Gaza e Maputo céu muito nublado passando a pouco nublado. Vento de sueste a nordeste fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas na faixa costeira de Inhambane. Eis as temperaturas previstas: Cidade Tempo Máx ºC Mín ºC Maputo 30 19 Xai-Xai 28 17 Inhambane 28 20 Vilankulo 28 21 Beira 28 21 Chimoio 27 16 Tete 33 21 Quelimane 30 21 Nampula 32 20 Pemba 30 24 Lichinga 25 15

  • verdade.co.mz
  • 2 days ago

O Instituto Médio Politécnico (IMEP), uma unidade orgânica da Universidade Politécnica, graduou, na sexta-feira, 11 de Outubro, em Maputo, um total de 56 estudantes formados em vários cursos. Trata-se de 19 formandos dos cursos de Construção Civil, 19 de Contabilidade, 7 de Gestão, 10 de Informática e 1 de Hotelaria, que receberam os seus diplomas, na XV cerimónia de graduação do IMEP. A construção de conhecimento, habilidades e atitudes sólidas, são os elementos necessários para se saber ser, estar e fazer numa sociedade responsável e competente, segundo referiu Narciso Matos, reitor da Universidade Politécnica, que discursava após a entrega de certificados e premiação dos cinco melhores formandos em representação de cada curso. “Aos graduados faço votos de felicidades e sucesso. Sigam o exemplo da professora Natália Folgado, que volvidos 24 anos de carreira, passa para a reforma com reconhecimento”, acrescentou Narciso Matos. Por sua vez, Isabel Zandamela, directora geral do IMEP, disse que a ocasião marca uma etapa nova na vida dos graduados, com a certeza de que as competências adquiridas contribuirão para o sucesso de cada formando na vida laboral ou aos que prosseguirem com os estudos. “Esperamos que sejam profissionais de sucesso e melhorem o desempenho das instituições em que vierem a se enquadrar, porque parte significativa da força de trabalho não está devidamente qualificada, e este é o momento certo, para assumirem o desafio de reverter este cenário, com determinação e responsabilidade”, exortou Isabel Zandamela. Na ocasião, Loide Kunhonha, graduada em Contabilidade, foi agraciada com um prémio de estágio profissional e material de trabalho, para além de incentivo financeiro, oferecido pela direcção do IMEP, como a melhor aluna com 17 valores. “Primeiro quero agradecer a Deus por nos ter guiado e pela sabedoria que nos deu para conseguirmos realizar os nossos sonhos. Aos professores, tutores e encarregados de educação, agradecemos por terem acreditado e investido todo o vosso esforço em nós”, concluiu Loide Kunhonha, falando também em representação dos formandos. Importa referir que desde a sua criação, o IMEP já graduou um total de 583 alunos. Os cursos do IMEP têm a duração de três (3) anos, funcionando nos turnos laboral e pós-laboral, e visam dotar os alunos de capacidades básicas para o ingresso no mercado de trabalho.

  • verdade.co.mz
  • 2 days ago

A Incubadora de Negócios do Standard Bank acolheu, recentemente, um debate sobre a manutenção de infraestruturas de tecnologias de informação e comunicação (TIC), durante o qual profissionais da área defenderam a necessidade de as pequenas e médias empresas (PME), assim como as startups terceirizarem a gestão e manutenção dos serviços inerentes à tecnologia para poderem concentrar-se no seu negócio. Durante o debate, organizado pela Tic Tech Talk em parceria com a Associação Moçambicana de Profissionais e Empresas de Tecnologias de Informação (AMPETIC), os oradores consideraram que, ao chamar para si a responsabilidade de gerir e manter infraestruturas de tecnologias de informação e comunicação, as PME podem perder o foco do seu negócio e, consequentemente, não obter retornos do seu investimento. “As PME devem deixar os profissionais tratarem disso. As empresas de tecnologia investem elevadas somas de dinheiro na criação de data centers e infraestruturas críticas necessárias para que as PME trabalhem. Ou seja, elas absorvem o maior stress em termos de investimento (habilidades necessárias para a gestão e manutenção, técnicos, segurança, entre outros aspectos)”, disse Eugénio Novele, director técnico da Internet Solutions Moçambique. A vantagem da terceirização destes serviços, acrescentou Eugénio Novele, é que as PME passam a dedicar-se única e exclusivamente ao seu negócio. “Elas passam a ter mais tempo para se preocupar com o mercado e a concorrência, bem como com o que acontece na sua área de negócio”. “Já temos, no País, empresas que fazem isso, com clouds e sistemas locais. Conferem maior flexibilidade em termos de conectividade e permitem que as PME se foquem naquilo que é o seu dia-a-dia”, sublinhou. Na ocasião, Célia Hofmeister, directora executiva da Tsolnet Moçambique, apelou às PME e startups nacionais que actuam na área das TIC a firmarem parcerias com empresas experientes e de créditos reconhecidos para prestarem serviços às multinacionais. Em paralelo, devem investir na formação para, a médio ou longo prazo, serem autónomas. “As parcerias devem trazer conhecimento, experiência e, acima de tudo, segurança. Acredito que temos bastante potencial no País, mas precisamos de estar expostos às tecnologias e investir na formação”. Estes debates, de acordo com Cíntia Banze, representante da AMPETIC, têm como objectivo contribuir para o desenvolvimento das TIC no País, através da promoção da interacção entre os profissionais e empresas da área. “A ideia é falar sobre questões correntes de tecnologia. Desta vez falamos da problemática das PME que têm de gerir e manter infraestruturas tecnológicas sem que esse seja o seu negócio”, referiu Cíntia Banze. Por seu turno, David Dimande, técnico de infraestruturas tecnológicas, realçou a importância do evento, que, na sua opinião, contribui para a troca de experiências entre os profissionais. Entretanto, reforçou a importância da participação de estudantes, que devem preocupar-se em projectar as suas carreiras. “Eles serão contratados pelas empresas, por isso devem participar nestes fóruns para aprenderem com os mais experientes”. Para além de Eugénio Novele e Célia Hofmeister, o debate teve como oradores Pedro Fernandes (director executivo da Área de Desenvolvimento e Integração de Aplicações na Vodacom), Victor Mourana (director executivo regional de Serviços Profissionais na Microsoft) e Sides Chissaque (fundador e director-geral da Brainstorm Academy). Importa realçar que a Incubadora de Negócios do Standard Bank é um empreendimento concebido no âmbito da visão e estratégia do banco, cuja materialização passa pela implementação de iniciativas que fomentam a inovação e o empreendedorismo, que são os mentores do crescimento económico do País. Para além do espaço físico, a incubadora oferece desde a formação até à interação com outras empresas e órgãos ou entidades governamentais, tendo em vista a criação de condições para o surgimento e estabelecimento de empreendimentos sustentáveis, que terão um impacto positivo na economia e na sua cadeia de valores, gerando riqueza e inclusão financeira para os cidadãos.

  • verdade.co.mz
  • 2 days ago

A Organização Internacional da Aviação Civil (ICAO, sigla em inglês) atribuiu a Moçambique um prémio de mérito em reconhecimento aos progressos que o País registou na promoção da segurança aérea em 2018, tendo atingido 66.7% do cumprimento dos requisitos impostos por aquele organismo, que exige uma média de 60% aos 193 estados membros. O prémio foi atribuído no decurso da 40ª Assembleia da ICAO, realizada entre os dias 24 de Setembro e 4 de Outubro, em Montreal, no Canadá, tendo sido apresentado ao ministro dos Transportes e Comunicações, Carlos Mesquita, na segunda-feira, 14 de Outubro. Conforme explicou o director-geral do Instituto da Aviação Civil de Moçambique (IACM), João Abreu, Moçambique foi agraciado por ter elevado os padrões de segurança de voo e por ter feito progressos significativos na resolução de deficiências de supervisão da segurança operacional do transporte aéreo. Para Carlos Mesquita, este resultado, alcançado na última auditoria feita ao País, está associado às reformas que têm sido implementadas pelo Governo com vista a superar o índice de cumprimento das convenções da ICAO, que se situava em 44%, em 2014. As reformas resultaram, por exemplo, na saída de Moçambique da lista negra do espaço aéreo europeu, abertura do espaço aéreo doméstico para novos operadores, aprovação da nova Lei da Aviação Civil e da primeira directiva de segurança sobre uso de veículos aéreos não tripulados (drones), certificação dos aeroportos internacionais de Maputo e Nacala, entrada de Moçambique no grupo de países subscritores do Mercado Comum de Transporte Aéreo no continente africano, introdução de novos paradigmas nos acordos bilaterais de transporte aéreo, entre outras realizações. “Para o Governo, esta distinção representa um profundo reconhecimento do trabalho que temos vindo a realizar. Porém, acresce as responsabilidades de todos os intervenientes da aviação civil moçambicana para a consolidação e aumento dos níveis de reconhecimento internacional que Moçambique está a atingir”, disse o ministro, que também apelou ao IACM a prosseguir com as reformas em curso. Na ocasião, Carlos Mesquita apontou como desafios da aviação civil a continuidade das reformas legais em curso no sector, o licenciamento dos aeródromos e pontos de entrada, bem como a certificação dos aeroportos da Beira e Nampula, cujos trabalhos já estão na fase final. “Precisamos de honrar esta distinção da ICAO, consolidando os ganhos conseguidos no cumprimento das convenções internacionais sobre a aviação civil, implementando os planos estabelecidos na componente de segurança aérea, formação de quadros, melhoria das infraestruturas aeroportuárias, entre outras acções”, concluiu.

  • verdade.co.mz
  • 2 days ago

Moçambique cumpriu mais um ritual democrático nesta terça-feira (15), fazendo fé nas promessas dos políticos o futuro será diferente para melhor. Mas para três raparigas que não fazem parte dos 13,1 milhões de eleitores inscritos o presente é mais urgente. Vivem num passeio a poucos metros de onde são guardados os milhões de dólares das mais-valias sem saberem o que vão comer e representam a maioria das jovens moçambicanas: uma é mãe abandonada pelo pai dos seus filhos, outra padece de tuberculose e é seropositiva enquanto a terceira aguarda por um marido que foi ganhar dinheiro para lhe dar um tecto. A mais crescida tem 32 anos de idade, encontrou na avenida Samora Machel o poiso temporário para criar um rapaz de 3 anos de idade, “eu estava no lar, depois zangou com o meu marido, o pai deste aqui”. É o seu sétimo filho, “morreu cinco, fiquei com dois, o outro está com tia” explicou ao @Verdade a jovem que embora resida em Maputo não está a beneficiar da redução que a mortalidade infantil registou de 93,6 por cento em 2007 para 67,3 por cento em 2017. A viver há mais de uma semana no passeio frontal de um dos muitos estabelecimentos comerciais encerrados, aparentemente em resultado da crise económica e financeira que Moçambique vive desde 2016, está outra jovem que não foi votar embora entre os seus parcos pertences tenha um lenço do partido Frelimo. Contou ao @Verdade que não foi votar porque não se recenseou e vive na rua desde que a avó com quem residia faleceu e outros parentes a expulsaram da habitação no Distrito Urbano de Katembe. O mesmo passeio, próximo ao megalómano edifício do Banco de Moçambique que custou pelo menos 300 milhões de dólares, é ainda alojamento de uma terceira jovem, de 33 anos de idade, que também não foi votar porque está doente. Deitada sobre uma capulana com a cara do candidato do partido Frelimo disse ao @Verdade que tem "uma tosse que não pára", magra e visivelmente fraca tem sinais evidentes de uma tuberculose. Além do passeio como lar, acreditam elas temporário, e do não exercício do direito cívico de votar as jovens raparigas partilham uma escolaridade básica, a falta de emprego e o desamparo familiar que teve numa união matrimonial a esperança de sair da pobreza. Nas promessas dos candidatos presidenciais nada indicia que, quem quer que vença a eleição, tenham soluções objectivas para romper o ciclo da pobreza em que estão mergulhadas não apenas para estas raparigas mas as dezenas de milhões de moçambicanos que vivem na pobreza. Quiçá mais democrático seria encontrar forma de distribuir os biliões gastos em eleições injustas e no circo das campanhas eleitorais pelos moçambicanos que não tem tecto nem sabem o que vão comer nesta quarta-feira (16).