Mozambique

  • verdade.co.mz
  • 2 days ago

O Instituto Nacional de Meteorologia(INAM) prevê a ocorrência de chuvas fortes (mais de 50 milímetros em 24 horas), localmente muito fortes (mais de 75 milímetros em 24 horas), acompanhadas de trovoadas severas e ventos com rajadas até 70 km/h e possibilidade de queda de granizos, a partir domingo(09) até terça-feira(11) nos distritos de Jangamo, Homoine, Morrumbene, Massinga, Vilankulo, Inhassoro, Govuro e Cidades de Inhambane e Maxixe(na Província de Inhambane); nos distritos de Chemba, Caia, Marromeu, Cheringoma, Maringué, Gorongosa, Muanza, Nhamatanda e Dondo, Buzi, Chibabava e cidade da Beira(na Província de Sofala); nos distritos de Guro, Tambara , Macossa, Bàrué, Manica, Gondola, Sussundenga, Machaze , Mossurize e cidade de Chimoio(na Província de Manica); nos distritos de Mutarara, Changara, Magoe, Cahora Bassa e Cidade de Tete(na Província de Tete); e também nos distritos de Chinde, Mopeia, Nicoadala, Namacurra, Maganja da Costa, Pebane, Mocuba, Morrumbala, Lugela, Ile, Gilé e Cidade de Quelimane(na Província de Zambézia). Entretanto para as províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula o INAM prevê céu pouco nublado localmente muito nublado. Ocorrência de aguaceiros ou chuvas fracas, localmente moderadas no interior de Niassa, acompanhadas por vezes de trovoadas. Vento de nordeste a sueste fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas. Nas províncias de Gaza e Maputo o INAM prevê céu geralmente muito nublado. Aguaceiros fortes ou chuvas moderadas a fortes, acompanhadas de trovoadas, passando a regime fraco durante as primeiras horas de amanhã em Maputo e sul de Gaza. Vento de nordeste a sueste, soprando com rajadas moderadas a fortes. Eis as temperaturas previstas: Cidade Tempo Máx ºC Mín ºC Maputo 29 24 Xai-Xai 31 23 Inhambane 29 25 Vilankulo 32 25 Beira 34 25 Chimoio 33 20 Tete 34 23 Quelimane 32 25 Nampula 36 24 Pemba 32 26 Lichinga 28 22

  • verdade.co.mz
  • 3 days ago

Depois do intenso calor registado no Sul e Centro de Moçambique o Instituto Nacional de Meteorologia prevê o seguinte estado do tempo para este sábado(08): nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula céu pouco nublado localmente muito nublado. Possibilidade de ocorrência de aguaceiros ou chuvas fracas, acompanhadas por vezes de trovoadas, principalmente no interior da província de Niassa. Vento de noroeste a nordeste, fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas. Para as províncias de Tete, Zambézia, Manica e Sofala céu geralmente muito nublado. Aguaceiros com trovoadas, principalmente em Manica, Sofala e Tete. Vento de noroeste a sueste, fraco a moderado. Nas províncias de Inhambane, Gaza e Maputo céu muito nublado. Aguaceiros com trovoadas em Maputo, sendo moderados a fortes, igualmente acompanhados de trovoadas em Gaza, a partir do final da manhã do Sábado. Vento de nordeste, rodando para sueste em Maputo e Gaza, soprando com rajadas moderadas. Eis as temperaturas previstas: Cidade Tempo Máx ºC Mín ºC Maputo 41 21 Xai-Xai 41 24 Inhambane 31 25 Vilankulo 32 22 Beira 34 25 Chimoio 34 20 Tete 35 20 Quelimane 36 27 Nampula 36 23 Pemba 33 25 Lichinga 31 18

  • verdade.co.mz
  • 3 days ago

Os nossos leitores elegeram os seguintes Xiconhocas na semana finda: Al Shabaab O grupo de insurgentes apelidado de “Al Shabaab” não passa de um bando de Xiconhocas e insensíveis. Mais cinco civis, dentre eles duas crianças, foram assassinados na província de Cabo Delgado, no Norte de Moçambique, em dois ataques perpetrados por essa corja de sanguinários, que até então não se sabe a motivação por detrás desses actos macabros. A Polícia deveria redobrar os esforço de modo a identificar os sujeitos e puní-los de forma exemplar. Jovem que matou irmã A ganância humana pelos bens materiais não tem limites. Exemplo disso é o Xiconhoca de 24 anos de idade, que é acusado de tirar a vida à própria irmã de 28 anos, com recurso a uma azagaia, durante uma alegada disputa de herança, no distrito de Dondo, província de Sofala. Este Xiconhoca, que agora encontra-se as contas com a Polícia moçambicana, deveria merecer uma pena capital pela tamanha barbaridade cometida. Deputados da Frelimo Os deputados da bancada parlamentar da Frelimo na Assembleia da República são uma verdadeira vergonha para o país, especialmente para os cidadãos que os elegeram. Este bando de Xiconhocas, como sempre, aprovou sem questionar o Plano Económico e Social e Orçamento do Estado, não obstante os mesmo não reflectirem as necessidades dos moçambicanos. É revoltante quando indivíduos eleitos pelo povo para o representar se preocupam com o seu próprio umbigo.

  • verdade.co.mz
  • 3 days ago

Olá Tina! Tenho 22 anos e mantenho relações sexuais há três anos com o meu namorado, sem usar o preservativo. No mês passado ele disse-me que sentia dores depois de urinar, a urina tinha uma cor escura e com um mau odor e fazia comichão à volta do pénis. Fomos a um centro de saúde para fazer o tratamento e combinámos usar o preservativo só que na primeira transa ele tentou usar e não tivemos prazer. Gostaria de saber o que eu posso fazer em relação a isso? Olá, querida. O teu namorado pode ter apanhado uma infecção que pode ser uma Infecção de Transmissão Sexual (ITS) e que tu podes apanhar também, se continuares a fazer sexo com ele enquanto não estiver curado. Portanto, primeiro que tudo, tratar a infecção dele. Se realmente for uma ITS, terás que fazer o mesmo tratamento também. E abstenção de sexo durante o tratamento. Quanto ao uso da camisinha, é normal que vocês não tenham tido sucesso por ser a primeira vez. Esta prática requer algum treino. Vocês os dois devem entender que o uso da camisinha pode ser parte de um jogo amoroso que até pode ser previamente treinado, se vocês têm confiança e amor um com o outro. Essa de não ter prazer com a camisinha, parece simplesmente psicológico.

  • verdade.co.mz
  • 3 days ago

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda: Fome escondida em Tete É deveras vergonhoso após 43 anos de independência o pais continuar a debater com o problema da fome. A situação que e verifica na província de Tete é reveladora do quão o Governo da Frelimo não está preocupado com o bem-estar dos moçambicanos. Por exemplo, no distrito de Chiúta, entre o mês de Julho e Agosto, o governo local apresentou ao Presidente da República, Filipe Nyusi, um relatório falso que garantia qo Chefe de Estado que a questão de segurança alimentar naquele ponto do país estava acautelada. Porém, num comício popular, a realidade veio à tona, o que demonstra de certa maneira a mentira que se vive em Moçambique. E preocupante quando aqueles que deveriam garantir a segurança alimentar da população têm estado a inventar dados para grande o Presidente. Quanta Xiconhoquice! Custo da transformação de “cinzentinhos” em “azulinhos” Como um país, somos, na verdade, um caso de estudo atípico. Num país em que a Polícia debate-se com problemas sérios de meios para combater a criminalidade que tem vindo a tomar proporções alarmante em todo o país, o Governo de turno dá-se ao luxo de gastar milhões de meticais em uniforme. Ou seja, os agentes da Polícia da República de Moçambique deixaram oficialmente de ser “cinzentinhos, passando a envergar um novo uniforme em tons “azulinhos” que custaram ao erário mais de 466 milhões de meticais, muito mais do que todo orçamento de investimento alocado para 2019 na província do Niassa, de Manica ou de Inhambane. O mais caricato é que o Presidente da República disse que nova indumentária deve representar o renascer de uma Polícia da República de Moçambique aprumada, cada vez mais próxima da comunidade e dos seus anseios. Definitivamente, o Governo da Frelimo perdeu as estribeiras! PES e OE para 2019 A assimetrias entre Maputo e o resto do país deveria corar de vergonha o Governo de turno. Mas parece que isso não importa esses indivíduos que há 43 anos têm estado a empurrar o país para o abismo sem precedentes. Um dos exemplos disso é que o Orçamento de Estado (OE) para o último ano do 1º mandato presidencial de Filipe Nyusi é indiferente ao efémero investimento na agricultura, ao aumento do serviço da Dívida Pública ou ao agravamento das assimetrias, com Maputo a ficar com mais de 69 porcento dos 340 biliões da despesa do Estado prevista em 2019. Aliás, dos 638 autocarros adquiridos desde 2015 pelo Governo de Nyusi 502 ficaram em Maputo. Este é um absurdo de proporções gigantescas, sobretudo para uma região que não produz nada para o crescimento da economia do país.

  • verdade.co.mz
  • 3 days ago

O Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural(MITADER) vai estender para 2019 a proibição que impôs em Março passado de exploração e recolha de madeiras das espécies Pau-ferro, Mondzo e Nkula incluindo na interdição as espécies de madeira Inhamarre e Mbuti. O @Verdade sabe que devido ao corte indiscriminado que aconteceu nos últimos anos a proibição de corte do Pau-ferro poderá ser estendida por mais 10 anos. Um dos corolários da “Operação Tronco”, levada a cabo em 2017, foi a decisão tomada pelo ministro Celso Correia de impedir “a exploração e recolha de madeira das espécies Pterocarpus tinctorius(Nkula), Swartzia madagascariensis (Pau-ferro) e Combretum imberbe(Mondzo)”. Em Despacho datado de 29 de Março de 2018 o titular da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural determinou ainda que não seria permitida a exportação das espécies Afzelia quanzensis(Chanfuta), Pterocarpus angolenses(Umbila), e Millettia stuhlmannii(Jambirre). O @Verdade apurou que durante o Inventário Florestal Nacional, concluído no passado mês de Agosto, verificou-se um declínio de até 90 por cento dos cortes anuais admissível dessas espécies levando ao Governo a manter a interdição da exploração e recolha das espécies Nkula, Pau-ferro e Mondzo e ainda alargou a proibição para as madeiras Ekebergia capensis (Inhamarre) e Mbuti. O documento na posse do @Verdade recomenda que o “defeso especial do Pau-ferro se estenda por mais 10 ou 15 anos, e que durante este período se monitore o efeito do defeso especial na espécie”. Sugere ainda que se considere a submissão das espécies Tule, Umbáua, Umbila, Jambirre e Mondzo “a um defeso especial ou a uma requalificação para espécies preciosas”. Os investigadores do Inventário Florestal Nacional não encontraram nenhuma árvore da espécie Nkula que tivesse alcançado o diâmetro a partir do qual as espécies comerciais podem ser legalmente exploradas e por isso recomendam “que se suspenda a exploração desta espécie até à realização de um inventário provincial detalhado ou inventário focado nesta espécie”. “Do total de 119 espécies comerciais de Moçambique, apenas 106 espécies foram encontradas. Destas 106, apenas 72 tinham indivíduos com o diâmetro à altura do peito a partir do qual as espécies comerciais podem ser legalmente exploradas”, constata ainda o Inventário Florestal Nacional a que o @Verdade teve acesso. Maiores quotas para exploração de madeira em 2019 vão ser atribuídas às província da Zambézia, Cabo Delgado e Sofala Entretanto o @Verdade apurou, na informação prestada pelo ministro Celso Correia à Comissão da Agricultura, Economia e Ambiente da Assembleia da República, que ainda baseado nos resultados do Inventário Florestal Nacional de 2018 o MITADER vai rebaixar o volume total de madeira a ser explorada dos 350 mil metros cúbicos do corrente ano para 347.528 metros cúbicos de madeira de outras espécies em 2019. O @Verdade apurou que as maiores quotas em 2019 vão ser atribuídas às província da Zambézia(81.483 metros cúbicos), Cabo Delgado(62.042 metros cúbicos) e Sofala(61.445 metros cúbicos), pois de acordo com o Inventário Florestal deste ano são as províncias com maior densidade de árvores com Diâmetro à altura do peito superior a 40 centímetros por unidade de área e onde se concentram o maior número de operadores florestais e concessões florestais. Estes mapas das previsões de quotas de exploração florestal do MITADER a que o @Verdade teve acesso mostram ainda que as nas espécies preciosas a maior exploração será de Pau-preto, 14.034 metros cúbicos dos quais 6.367 na província de Cabo Delgado, Chacate preto, 8.421 metros cúbicos dos quais 6.355 na província de Inhambane, Sândalo 5.867 metros cúbicos dos quais 4.094 na província de Inhambane, Muoma, 5.111 metros cúbicos dos quais 3.812 na província de Cabo Delgado, e Ébano, 1207 metros cúbicos todos a serem cortados na província de Sofala. Relativamente a madeira de primeira classe o @Verdade descortinou que a maior exploração será de Chanato, 63.758 metros cúbicos dos quais 47.120 na província de Tete, Umbila, 60.411 metros cúbicos dos quais 32.777 na província da Zambézia, Chanfuta, 42.947 metros cúbicos dos quais 15.134 na província de Cabo Delgado, Jambirre 35.543 metros cúbicos dos quais 12.086 na província de Cabo Delgado e Muanga, 9.990 metros cúbicos dos quais 8.595 na província da Zambézia.

  • verdade.co.mz
  • 3 days ago

Há 43 anos, o povo moçambicano vive uma grotesca mentira habilmente promovida pelo Governo da Frelimo. Todos os dias, os moçambicanos são confrontados com demonstrações cabais da falta de traquejo e de entendimento por parte dos seus dirigentes. É, diga-se em abono da verdade, deprimente encontrar indivíduos a frente das instituições públicas e/o do Estado, que têm estado a lavrar relatórios falsos, prejudicando a população. Um dos exemplos disso é a situação verificada no distrito de Chiuta, na província de Tete, onde o Governo local apresentou um relatório falso ao Presidente da República, entre os meses de Julho e Agosto do ano preste a findar, garantindo que a questão de insegurança alimentar era um caso ultrapassado naquele ponto país. Este facto veio à superfície durante o comício popular e na feira agrícola, no qual Filipe Nyusi foi confrontado com relatos de fome e, sacodindo a água do capote, o Chefe de Estado desabafou dizendo que foi enganado. Esta é, sem dúvidas, mais uma prova de que o nosso país é governado por um bando de mafiosos preocupados com os seus problemas estomacais. É, no entanto, cariato que só agora o Presidente da República se tenha dado conta de que os seus títeres o enganaram. Aliás, a situação de Chiuta é sintomático do que tem estado a acontecer em todo o país. Quase todos os dias, os moçambicanos enfrentam o drama de falta de alimentos, de unidades sanitárias, educação e de vias de acesso condignas. Mas, por alguma carga de água, são apresentados relatórios triunfalistas, cheios de frases feitas, falando das supostas realizações do Governo. Agora, que estamos prestes a entrar num ano eleitoral, as mentiras sobre realizações do Governo serão sofisticadas para aldrabar os moçambicanos de modo que acreditem em todo que reluz como sinal de desenvolvimento. Como se não bastasse os relatórios falsos, também os moçambicanos assistem nas diversas instituições que compõem o sector público a um sistema letárgico institucionalizado tornando de certo modo as instituições num antro de inaptos mentais que se vangloriam da sua ignorância. Portanto, diante dessa realidade lamentável, vale a pena os moçambicanos continuarem a lutar para que, um dia, tenhamos um país decente e com dirigentes patriotas e comprometidos com a causa do povo.

  • verdade.co.mz
  • 3 days ago

Apenas 746.838 crianças (48,7%), das 1.534.540 que devem frequentar a escola pública, pela primeira vez, em 2019, foram matriculadas, dois meses após o arranque do processo que termina no dia 24 de Dezembro corrente. Na verdade, o baixo índice de inscrição de novos ingressos da 1a. classe no Sistema Nacional de Educação (SNE) é uma situação antiga em Moçambique. Os pais e encarregados de educação têm negligenciado o processo de ano para ano. Apesar dos insistentes apelos do Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano (MINEDH) no sentido de as crianças em idade escolar serem inscritas, a medida pouco surte os efeitos desejados. Em todos o país, as matrículas iniciaram a 01 de Outubro último e findam a 31 de Dezembro. Até 30 de Novembro passado, somente a cidade de Maputo tinha atingido 70% de inscrições, seguida das províncias de Sofala e Cabo Delgado, com 62,2 e 57,3%, respectivamente. Nas províncias de Gaza e Nampula foram matriculadas 22,4 e 36,4% de crianças e são as que registam números muito baixos. Refira-se, por exemplo, que, em 2017, pelo menos 62% da população de Nampula não era alfabetizada. Inhambane está, também, longe das metas estabelecidas, tendo matriculado apenas 38,1%, dos 67.046 alunos esperados para o próximo ano. Os restantes pontos do país registavam metas acima de 50%. Manuel Simbine, porta-voz do MINEDH, disse que os pais e encarregados de educação mantêm o hábito de deixar a matrícula dos seus filhos para os últimos dias do prazo concedido pelo Governo. Todavia, a instituição a que a fonte está afecta ainda acredita na possibilidade de as metas estabelecidas serem atingidas no período que falta para o término do processo. O fracasso nas matrículas “pode ser também por desconhecimento” dos pais e encarregados de educação, ponderou o responsável, salientando que as autoridades locais devem envidar esforços no sentido de informar à população que todos os petizes com idade escolar devem ser matriculados. Segundo Manuel Simbine, a realização de matrículas dentro dos prazos estabelecidos “permite uma melhor preparação e organização da abertura do ano de lectivo 2019”, que está prevista para 01 de Fevereiro e o arranque das aulas para 04 do mesmo mês. A fonte falava à imprensa, na quinta-feira (06), na capital do país, sobre a matéria em questão.

  • verdade.co.mz
  • 3 days ago

A Lei do Orçamento do Estado para o próximo ano foi chancelada na Assembleia da República(AR), nesta quinta-feira(06), pelos deputados do partido Frelimo que nem sequer tiveram as suas poucas recomendações incluídas. As únicas alterações à proposta submetida pelo Governo de Filipe Nyusi foram feitas pelo deputado Eneas Comiche. É um ritual que se repete enquanto o partido Frelimo está no poder e mantém a maioria na chamada “Casa do Povo”, o Executivo faz a sua proposta de Orçamento escuta, nem sempre com atenção, às recomendações dos deputados e da Sociedade Civil, reconhece que algumas fazem sentido e poderão ser incluídas durante a implementação mas em termos práticos nada muda. A Lei do Orçamento do Estado na especialidade que foi nesta quinta-feira chancelada sofreu no entanto sete alterações impostas pelo presidente da Comissão do Plano e Orçamento(CPO) da AR. As receitas dos impostos sobre Mais-Valias que o Executivo pretende utilizar estavam erradamente quantificadas em 5.272.003,30 mil meticais na alínea b do Artigo 3, Eneas Comiche rectificou o montante para 5.274.779,30 mil meticais tendo em atenção o mapa das receitas por classificação económica. Foi rectificada parte da redacção do Artigo 7 que se referia “...a percentagem de 2,75% do imposto sobre a produção da extracção mineira e petrolífera...” passando a ler-se “...a percentagem de 2,75% do imposto sobre a produção mineira e petrolífera...”. Comiche obrigou ainda o Governo a alterar a sua proposta de lei no Artigo 12 onde fixava em 3.094.587,83 mil meticais o montante global de transferências correntes às autarquias passando para 3.143.938,50 meticais. O montante alocado para o Fundo de Compensação Autárquicas também foi revisto por indicação do presidente da CPO passando de 3.071.697,83 meticais da proposta governamental para 3.095.338,50 meticais. O valor a ser consignado no mesmo artigo na rubrica de Imposto Especial Sobre o Jogo foi revista por Eneas Comiche de 19.140 mil meticais para 44.850 mil meticais. O deputado, eleito edil da cidade de Maputo, alterou também o valor global de transferências de capital às Autarquias que o Executivo havia inscrito 1.687.668,75 mil meticais passou para 1.687.669,25 mil meticais. Foi ainda revisto em alta, por indicação do presidente da Comissão do Plano e Orçamento da AR, o montante alocado na alínea a do Artigo 13 que previa 1.547.668,75 mil meticais para o Fundo de Investimento de Iniciativa Autárquica para 1.547.669,25 mil meticais. Quiçá os partidos de oposição tenham competência para nas próximas eleições Gerais aumentarem a sua posição na Assembleia da República e, mais do que barrar, obriguem ao Governo a ser eleito a negociar cada umas das suas propostas que supostamente contribuirão para um Moçambique melhor.