Mozambique

  • verdade.co.mz
  • 24 hours ago

O Instituto Nacional de Meteorologia prevê o seguinte estado do tempo para esta quinta-feira (21) em Moçambique: nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula céu geralmente pouco nublado com períodos de muito nublado. Possibilidade de chuvas fracas ou chuviscos. Neblinas ou nevoeiros locais. Vento de sueste a sudoeste fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas na faixa costeira. Para as províncias de Tete, Zambézia, Manica e Sofala céu pouco nublado temporariamente muito nublado. Possibilidade de chuvas fracas ou chuviscos. Neblinas ou nevoeiros locais. Vento de sueste a nordeste fraco a moderado. Nas províncias de Inhambane, Gaza e Maputo céu pouco nublado temporariamente muito nublado. Possibilidade de chuviscos ao longo da faixa costeira. Neblinas ou nevoeiros locais. Vento de sueste a nordeste fraco a moderado. Eis as temperaturas previstas: Cidade Tempo Máx ºC Mín ºC Maputo 28 18 Xai-Xai 27 17 Inhambane 27 19 Vilankulo 27 15 Beira 25 19 Chimoio 24 14 Tete 31 18 Quelimane 29 19 Nampula 27 18 Pemba 29 21 Lichinga 25 12

  • verdade.co.mz
  • 1 day ago

A Rússia virtualmente garantiu a sua vaga nos oitavos de final do Campeonato do Mundo de futebol que está a organizar com uma vitória de 3 a 1 sobre o Egipto nesta terça-feira que levou a equipe à liderança do Grupo A do Mundial com seis pontos em dois jogos. A derrota deixa a selecção africana, que já teve Mohamed Salah no onze inicial, praticamente eliminada. Três golos em 15 minutos no início do segundo tempo colocou os russos no comando antes de Mohamed Salah, que teve atuação apagada ao voltar de lesão, diminuir de penalti, assinalado após análise do árbitro de vídeo. Se o Uruguai, que tem três pontos, derrotar a Arábia Saudita, que não tem nenhum, na quarta-feira, uruguaios e russos garantirão vaga nos oitavos com um jogo de antecipação. Um empate na outra partida também colocará os anfitriões na próxima fase. É uma situação inesperadamente positiva para a seleção russa, que chegou ao torneio em meio a pessimismo da torcida local. O Egipto, que faz a última partida da primeira fase contra a Arábia Saudita, tem poucas chances de permanecer no torneio, embora eles provavelmente vão buscar uma vitória no seu terceiro Mundial. A equipe do técnico Héctor Cúper parecia confiante com o retorno de seu talismã Salah, mas o atacante não estava com todo seu potencial e teve pouco impacto em um primeiro tempo disputado. Mas já aos dois minutos do segundo tempo, a Rússia quebrou o impasse e nunca olhou para trás. Um cruzamento de Aleksandr Golovin foi afastado pelo goleiro egípcio Mohamed El-Shenawy, mas Ahmed Fahti acabou desviando para a própria baliza. De forma surpreendente, foi o quinto autogolo do torneio até agora. O recorde em uma edição completa de um Mundial é seis em 1998. Se o primeiro golo foi fruto da sorte, o segundo golo russo foi resultado de pura qualidade. Alexander Samedov passou para o lateral-direito brasileiro naturalizado russo Mario Fernandes, que assistiu Denis Cheryshev para ele ampliar e fazer seu terceiro golo no Mundial. Dois minutos mais tarde, veio o 3 a 0 com Artem Dzyuba, que dominou um passe longo, passou por Ali Gabr para marcar. Salah, que não havia jogado desde sua lesão na final da Liga dos Campeões pelo Liverpool no mês passado, teve algum consolo ao converter um penalti. A penalidade foi assinalada depois que o árbitro de vídeo determinou que Salah foi derrubado por Zobnin dentro da área, depois que o árbitro inicialmente marcou falta.

  • verdade.co.mz
  • 1 day ago

Equipes de resgate indonésias enfrentaram chuva e ondas de até dois metros de altura, nesta terça-feira, para procurar ao menos 128 passageiros que estavam em uma barca superlotada que afundou no lago Toba, um destino turístico na cratera de um antigo vulcão na ilha de Sumatra. Estima-se que 18 pessoas foram resgatadas com vida, e um passageiro foi confirmado como morto depois que a barca afundou na noite de segunda-feira, quando foi virada pelo mau tempo. “Muitas pessoas relataram que seus parentes estão desaparecidos”, disse à Reuters o chefe da agência de busca e resgate da cidade vizinha de Medan, identificado apenas como Budiawan. A agência de busca e resgate enviou mergulhadores para procurar por vítimas nas profundezas do lago, disse ele. “Pode levar tempo”, disse Budiawan, acrescentando que os corpos podem ter ficar presos na embarcação. As autoridades estavam tentando confirmar o número total de passageiros que estavam a bordo da barca, mas disseram que pelo menos 128 pessoas estavam desaparecidas. O lago Toba preenche a cratera de um vulcão gigante que entrou em erupção há 75 mil anos — uma das maiores erupções do mundo, que deixou um lago de 450 metros de profundidade. O belo lago, com uma área de cerca de 1.145 quilómetros quadrados, tem uma ilha no meio. Barcas atravessam de um lado para o outro da ilha para cidades na margem do lago. Não havia notícias sobre a presença de turistas estrangeiros entre os desaparecidos. Acidentes com barcas são comuns no arquipélago da Indonésia, especialmente durante o feriado islâmico do Eid al-Fitr, que caiu na semana passada, quando milhões de pessoas viajam após o mês de jejum do Ramadão.

  • verdade.co.mz
  • 1 day ago

O Senegal tirou vantagem dos erros da Polónia e conquistou uma vitória por 2 a 1 na estreia das duas selecções no Grupo H do Campeonato do Mundo de futebol, nesta terça-feira, finalmente dando à África algo a comemorar na Rússia. Após abrir o placar graças a um autogolo de Thiago Cionek num primeiro tempo mau, o Senegal colocou o jogo fora do alcance dos polacos com o golo de M’Baye Niang aos 15 do segundo tempo, aproveitando-se da saída errada do guarda-redes Wojciech Szczesny para receber uma bola recuada de longe. Niang mostrou velocidade e controle para superar o guarda-redes. Grzegorz Krychowiak, autor do recuo mal feito que resultou no segundo golo senegalês, compensou parcialmente o seu erro com um golo de cabeça a cinco minutos do final, mas já era tarde. O resultado deixa Senegal, selecção que ficou famosa ao derrotar a então campeã França na estreia do Mundial em 2002, na sua última aparição num Mundial antes da Rússia, empatado na lideranla do Grupo H com o Japão. Mais cedo, a equipe asiática derrotou a Colômbia pelo mesmo placar. Última das selecções africanas a entrar em campo no Mundial, o enegal foi a única a não ser derrotada.

  • verdade.co.mz
  • 1 day ago

O Japão tirou proveito da expulsão de um jogador da Colômbia no começo do jogo e venceu o duelo por 2 a 1 na partida de abertura do Grupo H do Campeonato do Mundo de futebol, nesta terça-feira, na primeira vitória de uma equipe asiática sobre um time sul-americano num Mundial. O médio colombiano Carlos Sánchez foi expulso aos 3 minutos de jogo por colocar a mão na bola para impedir um golo japonês —no segundo cartão vermelho mais rápido na história dos Mundiais. Shinji Kagawa abriu o marcador convertendo o penalti marcado devido à mão de Sánchez na bola, mas Juan Quintero empatou o marcador pouco antes do final do primeiro tempo com uma cobrança de falta rasteira que surpreendeu o guarda-redes japonês Eiji Kawashima. Após o intervalo, o Japão pressionou em busca do golo da vitória, enquanto a Colômbia se postou na defesa apostando em um contra-ataque. Quem marcou foi a selecção japonesa, numa cabeçada de Yuya Osako, aos 28 minutos.

  • verdade.co.mz
  • 1 day ago

Diante das taxas de juro da banca comercial, que reconheceu serem “relativamente elevadas”, o Governador do banco central pede “paciência” aos moçambicanos porque os resultados das decisões de política monetária, a taxa MIMO reduziu pela sexta vez desde Agosto de 2017, “levam o seu tempo a dar resultados”. Enquanto isso os cada vez mais ricos banqueiros, que mesmo em tempo de crise obtiveram lucros bilionários inéditos, cobram uma taxa de juro média de 28,69 por cento que Rogério Zandamela admitiu serem “necessárias para podermos ter o tipo de estabilidade e equilíbrios macroeconómicos que nós necessitamos” em Moçambique. Reunido pela 3ª vez este ano o Comité de Política Monetária (CPMO) do Banco de Moçambique (BM), “considerando que a perspectiva de inflação a curto prazo assim como a sua projecção de médio prazo continua a apontar para uma cifra ao redor de um dígito, e ponderando todos os riscos subjacentes o CPMO deliberou reduzir a taxa de juro de política monetária (a taxa MIMO) em 75 pontos base, para 15,75 por cento”, começou por anunciar Rogério Zandamela. Em conferencia de imprensa, nesta segunda-feira (18), o Governador do BM assinalou que com esta decisão as taxas de juro de política já reduziram mais de 600 pontos base em relação ao pico registado em Outubro de 2016. “Adicionalmente, avaliamos também as outras taxas (de referência), e decidimos manter a taxa da Facilidade Permanente de Cedência de Liquidez (FPC) em 18 por cento, reduzir a taxa da Facilidade Permanente de Depósitos (FPD) em 50 pontos base para 12 por cento e manter os coeficientes de Reservas Obrigatórias em passivos em moeda nacional e em moeda estrangeira em 14 e 22 por cento, respectivamente”, acrescentou Zandamela. Contudo é assinalável que esta redução da taxa MIMO foi de apenas metade dos cortes anteriores, que haviam sido de 150 pontos base, o que indicia que a crise continua para durar quiçá até depois das eleições Presidenciais do próximo ano como aliás deixou nas entrelinhas o Governado do banco central. É que o Banco de Moçambique considerou como principais desafios a nível doméstico “as incertezas quanto ao rigor das medidas de consolidação fiscal necessárias para mitigar o risco associado à sustentabilidade da dívida pública no contexto do ciclo eleitoral de 2018, que são as eleições municipais, e em 2019, as eleições presidenciais e dos governadores. O segundo desafio doméstico tem a ver com incerteza quanto à tendência dos preços dos combustíveis líquidos e outros bens e serviços administrados (tais como a água, energia, transporte semi-colectivo, portagem, taxa de lixo…)”. Questionado sobre os riscos eleitorais, Rogério Zandamela esclareceu que: “não é nada específico com Moçambique, em todos os países que passam por ciclos eleitorais, incluindo os Estados Unidos, tomar medidas num ciclo eleitoral é complicado (...) Cada vez que há um ciclo eleitoral os investidores sempre aguardam, não sabem quem é que vai ganhar as eleições, mesmo quando é do mesmo partido não quais vão ser as prioridades da nova equipa, há sempre uma redução dos investimentos, não é nada pouco usual, quem tem dinheiro em geral são conservadores e não brincam com o seu dinheiro, não o querem perder, não tendo clareza para onde as coisas vão andar aguardam para depois decidir”. Taxas de juro elevadas “são necessárias para podermos ter o tipo de estabilidade e equilíbrios macroeconómicos que nós necessitamos” Relativamente as taxas de juro que os bancos comerciais teimam em manter altas, quase que ignorando os sinais de menores restrições da política monetária, o Governador do banco central declarou que: “não é fácil porque não podemos reduzir taxas com medidas administrativas, como expliquei no passado um parte da componente da taxa (de juro) tem a ver com o comportamento da taxa de política (monetária) mas também tem uma boa componente da parte do mercado”. “Na conjuntura actual as taxas continuam elevadas, até digo relativamente elevadas, são necessárias para podermos ter o tipo de estabilidade e equilíbrios macroeconómicos que nós necessitamos, a nossa esperança é que elas continuem a cair, isso é boa notícia. Algumas caíram como a Prime Rate, que caiu mais que as taxa sobre o crédito ao retalho”, disse. Zandamela pediu: “É preciso ter paciência porque os resultados de medidas levam o seu tempo a dar resultados mas o sinal é bom, a direcção é correcta, a intensidade podia ser melhorada”. De acordo com o Banco de Moçambique a taxa de juro média a retalho, com prazo de um ano, registou uma redução de 3,2 pontos percentuais, para 28,69 por cento em Abril 2018, comparativamente a Dezembro último.

  • verdade.co.mz
  • 1 day ago

A substituição do presidente do conselho municipal, em caso de impedimento permanente, nos termos da nova legislação eleitoral a ser aprovada entre esta quinta e sexta-feira, pelo Parlamento, já não será pelo presidente da assembleia municipal, mas sim, obedecendo o sistema de concorrente melhor posicionado, “dentro da sua lista de candidatura” para presidente do município, ou através do “membro da assembleia municipal que se seguir ao cabeça de lista”. Está estabelecido que o impedimento permanente pode ser causa da morte, incapacidade física permanente, renúncia ou perda de mandato. A actual Lei nº. 2/97, de 18 de Fevereiro, que estabelece o quadro jurídico para a implementação das autarquias locais, determina que, em caso de “impedimento permanente” do edil, este “é substituído pelo presidente da assembleia municipal” e exerce o cargo interinamente, até que haja um novo edil encontrado por via da eleição intercalar, se o tempo em falta para o fim do mandato for superior a 12 meses. A inovação a ser introduzida na proposta de revisão daquela lei, já em poder da chamada “Casa do Povo”, visa acabar com os desmandos similares aos que aconteceram no município de Nampula – protagonizados pelo presidente interino Manuel Tocova –, aquando do assassinato do edil Mahamudo Amurane. Refira-se que Tocova chegou a ser detidos duas vezes e julgado e condenado igual numero de ocasiões, por desobediência à Procuradoria Provincial de Nampula e por posse ilegal de arma de fogo. As mudanças reflectem-se também na forma de eleição do presidente da autarquia. Na lei em vigor, a escolha do edil é por “sufrágio universal, igual e directo (...)”. Todavia, segundo o número 2 do artigo 58 da proposta de lei em forja, “é eleito presidente do conselho municipal o cabeça de lista do partido político, coligação de partidos políticos ou grupo de cidadãos eleitores, que obtiver a maioria de votos nas eleições para a assembleia autárquica”. Edson Macuácua, presidente da Comissão dos Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos e de Legalidade (CACDHL), explicou, após ouvir o proponente do novo dispositivo e a Comissão Nacional de Eleições (CNE), que os partidos políticos, as coligações de formações políticas ou grupos de cidadãos quando concorrem “apresentam uma lista que tem um cabeça de lista e uma sequência de candidatos da mesma lista”. Nas quintas eleições autárquicas, agendadas para 10 de Outubro próximo, por exemplo, a lista obtiver a maioria de votos “validamente expressos”, o seu cabeça de lista tornar-se-á presidente da autarquia para a qual se concorre. Por via disso, “numa situação de impedimento permanente do edil da lista vencedora”, o processo de sucessão obedecerá à sequência da precedência dos membros da assembleia municipal. Ou seja, “é proclamado presidente o segundo posicionado na mesma lista que teve a maioria de votos pelo mesmo partido”. De acordo com Edson Macuácua, este modelo de substituição, que respeita e segue a sequência do ordenamento dos candidatos eleitos nas listas, já é observado, por exemplo, “na sucessão dos deputados da Assembleia da República, das Assembleias Provinciais e das Assembleias Autárquicas”. A mesma opção tem como vantagens, o facto de “evitar que haja arbitrariedades, insegurança e imprevisibilidade no funcionamento dos órgãos”, bem como contorna a realização das habituais eleições intercalares, o que tem acarretado custos elevados ao Estado. Observados os critérios para a elegibilidade do edil, o partido político, as coligações de formações políticas ou grupos de cidadãos que obtiver a maioria de votos terá um “prazo de sete dias úteis para se pronunciar em torno do candidato melhor posicionado, dentro da sua lista de candidatura”, esclarece o Governo na proposta de lei em causa. Em caso de silêncio relativamente a esse assunto, durante o tempo previsto, a substituição será feita através do “membro da assembleia municipal que se seguir ao cabeça de lista”

  • verdade.co.mz
  • 1 day ago

Nampula foi a província que mais investimento directo recebeu entre 2006 e 2015, revelou Lourenço Sambo, director geral da Agência para a Promoção de Investimento e Exportações (APIEX), que indicou que a agricultura e o agro-negócio foi o segundo sector que mais dinheiro recebeu dos 40 biliões de dólares norte-americanos de investidores nacionais e estrangeiros que criaram mais 314 mil empregos em Moçambique. Entretanto o desafio actual é inverter a queda de investimentos que acontece desde 2014 Durante uma palestra subordinada ao tema: Benefícios Fiscais no “Âmbito do Investimento Directo Estrangeiro e Nacional”, que proferiu na Autoridade Tributária de Moçambique, Lourenço Sambo desmistificou a percepção que Maputo e Tete são as províncias que têm recebido mais investimentos no nosso país. “Nampula nos últimos dez anos está em cima por causa da zona económica especial, depois também temos Tete estão lá as minas de carvão” revelou o director da APIEX precisando que dos 40,8 biliões de dólares norte-americanos de investimentos 10,8 biliões ficaram na chamada capital Norte, seguida por Tete com 7,3 biliões. No entanto a cidade e província de Maputo juntas receberam 10,3 biliões de dólares de investimentos entre 2006 e 2015. Desse investimento grande parte foi para o sector da energia, que engloba a produção mineira, no entanto Sambo indicou que “cerca de 22 por cento foi investido na agricultura e cerca de 13 por cento foi para a indústria”. Os 3.185 projectos de investimento que aconteceram ao longo de quase uma década no nosso país geraram, de acordo com a , 314.637 empregos. Entretanto Lourenço Sambo, que defende que os benefícios fiscais e incentivos que são dados aos investidores são uma das ferramentas para os trazer a Moçambique, declarou em entrevista ao @Verdade que o desafio actual, face a redução dos investimentos que está acontecer desde 2014, “é efectivamente inverter a pirâmide, o foco não pode ser o gás ou o carvão tem que ser a agricultura, têm que ser as infra-estruturas, tem que ser olhar para aquilo que pode fazer a diferença, por exemplo a energia, nós temos um potencial enorme”. “Nós temos uma estratégia para promover o investimento privado em Moçambique, durou 3 anos e agora estamos a fazer outra que tem cinco pilares e um deles é melhorar o ambiente de negócios” acrescentou. Na perspectiva do director da APIEX, “o ambiente de negócios não é um problema do Governo, é um problema da sociedade, é um problema da economia moçambicana, é um problema dos empresários, dos empregados, dos sindicatos, das famílias, de todos nós, para melhor o ambiente de negocio precisa de pragmatismo político e olharmos para o caso do Ruanda, é dizer que eu não quero que isto acontece e não acontecer”.

  • verdade.co.mz
  • 1 day ago

O maior partido da oposição moçambicana, a Renamo, que vai realizar as primeiras eleições sem o seu líder, Afonso Dhlakama, falecido há mais de um mês, inscreveu-se, na terça-feira (19), para concorrer nas quintas eleições autárquicas, agendadas para 10 de Outubro do ano em curso. Sem avançar pormenores, o partido disse que tem uma estratégia para conquistar o grosso das 53 autarquias locais no país, como forma de honrar Afonso Dhlakama e preservar os ensinamentos por ele deixados. O anúncio foi feito pelo mandatário desta formação política, André Magibire, depois de formalizar o interesse da “Perdiz”, na Comissão Nacional de Eleições (CNE), em Maputo, em concorrer nas eleições em questão. Ele, que é igualmente deputado pela bancada parlamentar da Renamo na Assembleia da República (AR), disse a jornalistas que a inscrição significa que “estamos preparados” para participar no próximo escrutínio. Dhlakama perdeu a vida vítima de doença a 03 de Maio último, nas matas da Serra da Gorongosa, em Sofala, onde estava aquartelado e negociava com o Governo. Um dos resultados dessas negociações foi testemunhado a 24 de Maio, com a aprovação da revisão pontual da Constituição da República. Neste contexto, entre esta quinta e sexta-feira será apreciado e aprovado o novo pacote eleitoral. “O nosso objectivo é honrar o nome e a alma do presidente Afonso Dhlakama. Serão as primeiras eleições sem ele em vida e a melhor forma de” colocar em prática os seus ensinamentos é “arrancarmos muitos municípios” que estão sob gestão do partido no poder, a Frelimo, e alguns nas mãos do Movimento Democrático de Moçambique (MDM). Segundo Magibire, a estratégia para vencer será a mesma usada na eleição intercalar autárquica da cidade de Nampula, a 14 de Março passado. “Ganhámos com uma maioria esmagadora”. Das 53 autarquias locais existentes no país, a Renamo administra apenas Nampula. As outras três, nomeadamente Beira, Quelimane e Gúruè, estão sob gestão do MDM. As restantes 49 estão nas mãos da Frelimo. Os cabeças de lista para presidente de municípios e membros das assembleias municipais serão escolhidos nas conferências provinciais, a terem lugar numa data não especificada, de acordo com Magibire.

  • verdade.co.mz
  • 1 day ago

O País continua a registar passos firmes para ultrapassar um conjunto de desafios no sentido de restaurar a estabilidade macroeconómica. Nalgumas áreas, o progresso foi notório, como no caso da melhoria da Balança de Pagamentos, a consequente estabilidade cambial e a descida da inflação que se observa desde 2017. Porém, este ajustamento tem um custo elevado, que se traduz num crescimento mais lento do Produto Interno Bruto (PIB), que desacelerou para 3.2% ano a ano no primeiro trimestre de 2018, de uma média de 7.3% ao ano entre 2000 e 2015. Esta análise foi apresentada pelo economista chefe do Standard Bank, Fáusio Mussá, no decurso do Economic Briefing, realizado, terça-feira, 19 de Junho, em Maputo, com o objectivo de apresentar as perspectivas económicas, para o segundo semestre deste ano e para o próximo ano, 2019. No decurso da sua análise, o economista chefe destacou que dois factores caracterizam a actual conjuntura económica, nomeadamente riscos elevados do lado fiscal e perspectivas de crescimento lento da economia, até o arranque das exportações de GNL-Gás Natural Liquefeito dos projectos da Bacia do Rovuma, muito provavelmente em 2022-2023. Fáusio Mussá considerou que a ausência de tensão militar desde finais de 2016 e os passos significativos para o alcance de uma paz duradoura são os elementos que mais contribuíram para a melhoria das perspectivas económicas. "Apesar destas melhorias, notamos que o Banco de Moçambique reduziu o ritmo de corte da sua principal taxa de juro de referência, MIMO, de 150 pontos base nas reuniões do Comité de Política Monetária de Dezembro de 2017, Fevereiro e Abril de 2018 para 75 pontos base na reunião deste mês. Este comportamento muito provavelmente indica que os riscos fiscais permanecem elevados". Para o economista chefe do Standard Bank, com o alto nível das taxas de juro, a maior parte do crédito para a economia é canalizada para o sector público, quando num cenário em que as taxas de juro seriam mais baixas haveria apetência por parte do sector privado, para começar a financiar a sua actividade o que iria estimular a recuperação económica. Num olhar para os próximos anos, Fáusio Mussá sustentou que, antes da exploração do gás natural na Bacia do Rovuma, prevista para 2023, as perspectivas são de que o PIB cresça a um ritmo muito abaixo dos níveis históricos, sendo que, em termos de PIB per capita, no ano passado, registou-se uma contracção: enquanto o PIB cresceu 3.7, o PIB per capita contraiu 5.3 por cento. “Entretanto, a nossa análise indica que o País continua a dar passos firmes para a recuperação da economia. Mas a manutenção da estabilidade macroeconómica requer uma aceleração das reformas estruturais, nomeadamente no sistema judiciário, ambiente de negócios, sector bancário e financeiro, fiscal e nas empresas públicas”, referiu Fáusio Mussá. De acordo com o economista chefe, reflecte, também, “o crescimento do sector exportador, particularmente o mineiro, incluindo algumas empresas que têm conseguido manter um nível considerável de negócios, investindo capitais próprios”.